Domingo, 22 de Janeiro de 2012

Era sua vida a que me falou, especialmente a perseguição e o ridículo que ele recebeu por ser fiel, por dizer as verdades socialmente incômodas sobre as consequências eternas do pecado.

Meu pai – o exemplo que me levou a Cristo e à sua verdade sobre a vida

John-Henry Westen - www.lifesitenews.com - (Notifam)

17 de junho de 2011 (Notifam) – Quando eu era um menino que crescia em Toronto, a vida era magnífica. Se bem que houvesse discórdia na família, meu pai, Henry Westen, era como uma rocha.

Meu defunto pai foi um católico devoto e fiel que assistia a Missa todos os dias e nunca deixou passar um dia sem rezar o rosário. Era generoso até o exagero, carinhoso e amável. Ele nos levou – o meu irmão Marcos e a mim (e eventualmente a Miriam, minha irmã mais nova) – na escola, nos ajudava com as tarefas para o lar e ele tinha dois trabalhos para poder envianos à escolas católicas particulares.

Porém quando cheguei à adolescência minha vida deu um giro para o pior. Amigos, tanto no bairro como na escola, me introduziram na pornografia e nas más palavras, para viver uma vida sem Deus e duvidando de sua própria existência. Rapidamente eu estava no outro lado, vivendo uma vida longe de Cristo e de sua verdade.

No princípio me recordo que pegava boletins eclesiais da Missa dos domingos antes de ir às salas de bilhar com meus amigos, assim eu podia “demonstrar” ao papai que tinha estado na Missa. Pois mesmo sendo este homem afável era muito generoso e amável, fez todo o possível para insistir no essencial – o que para ele eram as obrigações da fé.

Inclusive quando eu era menino ele me dizia: “preferiria ver-te morrer neste momento que cair em uma vida de pecado”. Era um homem ridicularizado por sua fé “extrema”, tanto por seus colegas e amigos e inclusive por sua própria família.

Por sua vez eu também o ridicularizava. Recordo que algumas vezes eu chegava em casa vindo dos clubes de baile às 3 horas da madrugada e encontrava meu pai ainda ajoelhado em oração junto de sua cama, sem dúvida rezando por seu filho desgarrado. Às vezes ele estava ainda de joelhos, mas desmoronado sobre a cama, por ter dormido ainda rezando. “Velho tonto”, recordo dizer-me a mim mesmo.

Durante sete anos abandonei a prática da fé. Tratei de tranquilizar minha conciência que me reprovava, pensando que Deus não existia. Mas como passa inevitavelmente, minha vida começou a desmoronar-se. Encontrei-me eventualmente no ponto mais baixo em minha vida, em perigo de perder minha noiva, minha educação e até minha liberdade, pois me envolvi com personajens obscuros na universidade.

Eu tinha nenhum lugar onde socorrer-me, senão a Deus. Tomei um livro que meu pai me tinha dado na primeira vez que caí – Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem, escrito por São Luis Maria Grignon de Montfort. Nesse livro aprendi que seguir a Cristo significa dar toda minha vida a Ele sem reservas, não só nas manhãs de domingo. Isto significou para mim uma mudança total.

E logo me assaltou a crise de fé. Eu havia convencido a mim mesmo que Deus não existia. Como podia agora dar minha vida por algo imaginário?

Pus o livro debaixo do braço e me decidi a falar com meu pai sobre o assunto. Nesse momento eu estava tão confundido em minha vida, eu sabia só uma coisa: que meu pai me amava. Com muito esforço tolerou tudo com respeito a mim e no entanto se manteve firme cuidando-me e amando-me, sem deixar de advertir-me nunca que minha vida eterna estaba em perigo, mas fazendo isto com amor.

Eu fui dizer-le: “Papai, és o único que sei com certeza na vida que me ama, e por isso quero que me digas a verdade. Eu li este livro sobre a Verdadeira Devoção que me deste e que isto significa renunciar a toda minha vida, e eu não quero fazer isso a menos que seja verdade”.

Eu preparei mentalmente este pequeno discurso quando fui ver ao meu papai. Quando cheguei a ele, o olhei, e sua vida me falou. Aqui estava um homem que foi ridicularizado durante a maior parte de sua vida por praticar a fé. Seus companheiros caçoavam dele, seus amigos o aborreciam e sua família estava envergonhada e às vezes era cruel com ele por sua prática da fé.

Foi sobre tudo isto – sua resistência a toda esta perseguição, inclusive uma resistência alegre – o que superou minha auto-induzida falta de fé em Deus, e que atravessou e quebrou minha dúvida. É evidente que Deus é real, seu caminho é a verdade. E desde esse momento eu vivi para Cristo.

Na realidade nunca fiz essa pergunta ao meu pai. Tudo isso me foi comunicado quando o vi nesse dia.

De fato, nem sequer lhe falei do incidente até muitos anos depois, só um par de anos antes de sua morte que faz três anos. Era sua vida a que me falou, especialmente a perseguição e o ridículo que ele recebeu por ser fiel, por dizer as verdades socialmente incômodas sobre as consequências eternas do pecado. Foi suficiente seu amor por mim para dizer-me a verdade, inclusive quando caçoei dele por isso.

Esta resistência sua deixou sua marca em mim. Há muitos que caçoam dos ativistas pró-vida e pró-família de sua forma de dizer a verdade com amor sobre estes temas difíceis. No entanto, em nossa resistência a esta caçoada, em nossa constância em amar aqules que nos insultam e ridicularizam, está o poder da Cruz, o poder da conversão à verdade. Isto é o que me salvou a vida e minha alma.

Feliz Dia do Pai, papai. Te amo. Sinto saudades de você. Reze por mim.

Versão original em inglês em http://www.lifesitenews.com/news/my-father-the-example-that-led-me-to-christ-and-his-truth-on-life

publicado por emtudoavontadedeus às 18:13
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

. logotipo sapo

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Himno de La Liturgia de l...

. O menino que conseguiu fa...

. Ou se está com Jesus, ou ...

. Há homens que dizem: se D...

. «Poderemos ficar no céu, ...

. Advertência da incompatib...

. A parte mais bonita, a pa...

. "A imensidade de Deus é a...

. Médico ao remover seus ov...

. A MELHOR CANÇÃO PARA DEUS...

.arquivos

. Abril 2015

. Março 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.contador de visitas

estatisticas gratis

. logotipo sapo