Quarta-feira, 14 de Dezembro de 2011

Sem lugar aonde ir em busca de ajuda, a única opção que ficou para Lee foi a oração.

 

 

JOSEPH LEE E SEU FILHO

Jovem pai pró-vida quase perdeu seu filho por um aborto: disse que os pais não têm nenhum direito legal.


Hilary White - www.lifesitenews.com - 9 de noviembre 2010 (Notifam)

DUBLIN, 9 de novembro de 2010 (Notifam) – Joseph Lee, que trabelha como funcionário da Sociedade para a Proteção das Crianças Nascituras, na Escócia, é o pai de um menino de quatro anos de idade. Mas ele quase perdeu seu filho há mais de quatro anos atrás, dado que as leis do aborto na Grã Bretanha não permitem aos homens ser tomados em conta quando se decide efetuar um aborto.

Lee contou sua dolorosa história para o LifeSiteNews.com em uma entrevista neste fim de semana em Dublin.

Aos 22 anos, a noiva de Lee ficou grávida e tentou abortar. Apesar que ele queria ter o menino e acreditava que o aborto era moralmente errôneo, descobriu por si mesmo que não contava com recurso legal algum para salvar a vida de seu filho por nascer.

Sem lugar aonde ir em busca de ajuda, a única opção que ficou para Lee foi a oração.

Em duas ocasiões, desde a aprovação da Lei do Aborto de 1967, os homens tem tentado e tem fracassado nos tribunais para proteger seus filhos do aborto. Lee tinha estudado a lei e sabia que “para mim não era uma solução ir a um advogado”.

“Sabia que seria completamente infrutuoso. Por isso eu sabia que tudo o que podia fazer realmente era diante de tudo rezar e tratar de convencer a minha noiva que tivesse o bebê. Isto foi muito frustrante”.

A mãe de Lee tinha estado envolvida no movimento pró-vida. “Por isso eu era completamente contra o aborto em todos os casos”, disse ele.

“Porém nunca me tinha visto desafiado por isso e nunca fiz nada à respeito. Em consequência, minha noiva ia abortar e eu não podia opor-me a isso, independentemente do fato que eu só tinha 22 anos de idade, e nem sequer podia cuidar de mim mesmo, muito menos de outra pessoa”.

“Então tratei de convencê-la que não abortasse, mas ela seguiu adiante e reservou um encaminhamento ”.

Lee disse que estava convencido que foi só pelo poder da oração que a enfermeira na clínica de aborto mostrou para sua noiva a ecografia. Nos centros de aborto em todo o mundo, normalmente se exige uma ecografia para determinar a idade gestacional da criança e decidir qual método de aborto se vai utilizar. Mas por rotina se nega às mulheres que vejam seu filho não nascido, pela dúvida de que isso as predisponha contra o aborto.

Como já ocorreu com tantas outras mulheres, uma vez que a noiva de Lee viu a ecografia se deu conta que não podia seguir adiante com o aborto.

“Recordo uma chamada telefônica nesse dia, quando ela disse que não ia seguir adiante com o aborto e que tinha visto nosso filho quando o escaner explorava seu ventre, e que o viu bastante feliz, nadando. Ela disse que simpledmente parecia uma pessoa em miniatura”.

“Recordo que pensei: ‘Isso é porque se trata de uma pessoa' ”.

Ele relata que a enfermeira que ofereceu a pílula “médica” abortiva RU-486 disse: “Não sou feliz de dar-te isto a menos que estejas 100% segura”.

“E obviamente, ela não estava 100% segura, porque eu estava fazendo tudo o que podia para convencê-la que tivesse a criança”.

“Não me dei conta disto nesse momento, mas me inteirei mais tarde que ela se sentou para conversar com uma amiga que tinha usado a pílula abortiva, talvez isso tenha sido algo que tenha influído em sua decisão. Essa não pode ter sido uma noite agradável”.

Lee disse que “é muito raro” ver algo escrito sobre os direitos do pai no debate sobre o aborto.

Disse que “inclusive nos círculos pró-vida… os grupos de pressão abortistas se centram nos direitos das mulheres”. “Os militantes pró-vida tendem a concentrar-se corretamente na criança. A maioria dos conselheiros se centram na mulher, mas não há nada realmente que se centre no pai”.

Ao perguntar se hvia alguém fazendo qualquer tipo de trabalho legal em nome dos homens nesta situação, Joseph Lee respondeu: “Não que eu saiba, não”.

“Isto mostra que o lado pró-aborto tem tido muito êxito em convertê-lo exclusivamente em assunto das mulheres, o cual é completamente ridículo, porque a partir de minha própria experiência eu vi que as mulheres estão muito mais predispostas a abortar se o homem não está envolvido”.

Disse também que as leis de aborto isolam as mulheres. Inclusive se uma mulher não está sendo pressionada para abortar, sem o pai comprometido ela não tem apoio: “Se o homem diz: ‘é assunto teu’, isso é o que exerce pressão sobre ela e lhe dá a sensação de que tem que abortar.

“É uma mentira total sugerir que as mulheres devem depender só delas mesmas para tomar uma decisão. Não é prejudicial admitir que às vezes elas necessitam de conselho e o respaldo de outras pessoas”.

“O aborto é uma das decisões mais horrendas que alguém pode tomar alguma vez, e ter que fazê-lo exclusivamente por sua conta é algo muito aterrador”.

Como se fosse um jogo de azar, os homens conseguem legalmente ficar por fora da responsabilidade – se querem ser pais ou não- , disse Lee, que sustenta que o aborto legal deua aos homens a desculpa para “afastar-se” das mães de seus filhos. “Isto legitima que os homens não participem [na reprodução da criança] e possam abandoná-los. Eles esperam que as mulheres abortem”.

“Há uma contradição quando um homem é desprezado se não vai estar ali quando seu filho nasce, mas se diz que não cumpre nenhum papel em tudo isto”.

“Ele é vilipendiado por não cumprir um papel na vida do filho, por não apoiá-lo, pois isto é o que se recomenda desde o começo da vida da criança. Por isso não é uma surpresa que vejamos que os homens abandonem a seus filhos”.

Acrescentou finalmente: “Sei que não devemos julgar as pessoas, mas realmente penso que o que faz um homem respeitado por seus filhos é uma forma na qual podemos medir se ele é realmente um homem ou não. Porque se um homem abandona seu próprio filho, então para mim não é um homem de verdade”.

Versão original em inglês em http://www.lifesitenews.com/ldn/2010/nov/10110805.html

16 semanas

publicado por emtudoavontadedeus às 22:19
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

. logotipo sapo

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Himno de La Liturgia de l...

. O menino que conseguiu fa...

. Ou se está com Jesus, ou ...

. Há homens que dizem: se D...

. «Poderemos ficar no céu, ...

. Advertência da incompatib...

. A parte mais bonita, a pa...

. "A imensidade de Deus é a...

. Médico ao remover seus ov...

. A MELHOR CANÇÃO PARA DEUS...

.arquivos

. Abril 2015

. Março 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.contador de visitas

estatisticas gratis

. logotipo sapo