Terça-feira, 6 de Dezembro de 2011

Eu quero ser um burrinho, mas o menorzinho, o mais leal ao Mestre, o mais entregue à sua limitada e concreta missão.

 

Quero ser um burro!

Meditação sobre a verdadeira humildade

Corrijo-me, não quero ser um burro, quero ser um burrinho, o menor burro entre os burros. Isto compreendo agora plenamente, quem sabe depois de ter tratado tontamente de ser pavão real ou simplesmente pavão, durante demasiados anos de minha vida. Que honra ser burro, um dedicado e eficiente burro!

O extraordinário Padre Emiliano Tardif me ensinou isto em um de seus livros, retratando a figura desta formosa forma:

Quando o Senhor entrou em Jerusalém no Domingo de Ramos, montava um lindo burrinho. As pessoas o aclamaram gritando 'Hosana ao que vem em Nome do Senhor', e punham suas roupas em Seu caminho para que o burro as pisasse ao passar, enquanto balançavam folhas de palmeiras e também as jogavam no caminho.

Pensemos no burrinho que experimentou tudo isso: ele poderia ter dito “que maravilha como me aclamam, que êxito excepcional entrar em Jerusalém deste modo!”.

Nesse caso, se o burrinho tivesse saltado de alegria e girado sobre si mesmo para contemplar alvoroçado tanta folia. O que teria ocorrido nesse caso? Pois, se a carga que o burrinho levava sobre sua garupa tivesse caído por terra, dando por fracassada a mais extraordinária missão que burro algum teve desde que Deus criou a sua espécie, os burrinhos.

Os hosanas não eram para ele, eram para o Homem-Deus que o havia escolhido, por motivos misteriosos, para conduzir tão trascendental missão. Não era um burrinho qualquer, o Senhor já o tinha escolhido desde o início dos tempos. Era um burro escolhido, nem mais nem menos. No entanto isso não mudava nem o sentido nem o propósito de sua responsabilidade, de sua missão. Ele tinha que levar sobre si aquele que era o Rei do Universo, a Palavra feito Homem, o Verbo Encarnado, o Messias anunciado e esperado durante gerações.

O burro, conciente de sua missão, se concentrou na tarefa de modo extraordinário enquanto se repetia a si mesmo a todo momento: “estes aplausos não são para mim, não devo distrair-me, estes hosanas não são para mim, devo concentrar-me em ter o passo firme, o olhar fixo no caminho”.

O burrinho tinha que pisar os mantos que punham na frente dele sem enredar-se nos cascos, pisar as folhas de palmeiras sem lastimar-se nem provocar tropeço algum. Ignorou o melhor que pode o que passava ao seu redor, para poder desse modo servir ao seu Amo, para levar a bom termo aquela jornada que glorificou por toda a eternidade a espécie burrinha (perdão pelo termo) para alegria das futuras gerações de burros por vir.

E eu, hoje, quero ser um burrinho, digno descendente desse mesmo feliz exemplar que supôs compreender sua missão de modo tão claro. O burrinho de Jesus não caiu em tentação de vaidade nem se confundiu por um instante sobre o alcance de seu chamado. Deus mesmo o havia escolhido, isso o fazia um burro escolhido por certo, mas por isso justamente tinha que ser o menor entre os burros, sem falhar, sem desviar-se de seu caminho.

Como bom burrinho, da linhagem daquele mestre burro, quero levar sobre minhas costas a Palavra do Mestre, sem desviar meu olhar do caminho, sem tropeçar nem cair, sem distrair-me mesmo quando aclamem ou aplaudam, porque é ao Mestre que gritam hosana, não a mim. É ao Mestre que querem escutar e seguir, não a mim. É ao Mestre que querem e devem imitar, não a mim.

Muitas formas há para definir o que é a verdadeira humildade, mas poucas formas são tão claras como a compreensão da missão daquele burrinho. Muitos burros eu conheço que em situações similares saltam de alegria e sacodem seus braços em agradecimento à multidão, lançando pelos ares a Palavra do que verdadeiramente estava dirigindo-se às pessoas. Não, eu quero ser um burrinho, mas o menorzinho, o mais leal ao Mestre, o mais entregue à sua limitada e concreta missão.

Senhor, faz-me um instrumento de Tua Palavra
para que docemente a leve ao mundo.
Que de meus lábios se derrame o mel de Tua doçura
que meus olhos iluminem com a Luz de Teu Olhar
que minhas mãos acariciem como só Tu sabes fazê-lo
que meus pés pisem sobre Ti que és o Caminho
que meus braços abracem e curem as feridas da alma
que minha alma descanse em Tua Paz
para que nada em mim seja por mim mesmo
mas por Ti e em Ti que és meu Amor e Fortaleza

Fonte: www.reinadelcielo.org

publicado por emtudoavontadedeus às 20:46
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

. logotipo sapo

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Himno de La Liturgia de l...

. O menino que conseguiu fa...

. Ou se está com Jesus, ou ...

. Há homens que dizem: se D...

. «Poderemos ficar no céu, ...

. Advertência da incompatib...

. A parte mais bonita, a pa...

. "A imensidade de Deus é a...

. Médico ao remover seus ov...

. A MELHOR CANÇÃO PARA DEUS...

.arquivos

. Abril 2015

. Março 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.contador de visitas

estatisticas gratis

. logotipo sapo