Domingo, 11 de Setembro de 2011

10º aniversário do 11 de setembro: 'Amar o inimigo'.

 

 

 

 

 

Christian de la Huerta  

 

10º aniversário do 11 de setembro: 'Amar o inimigo'.

 

Compartilhar esta história

 

É difícil acreditar que já passaram 10 anos desde o dia fatídico que mudou para sempre o mundo como o conhecíamos.

 

A América continuou a ser vista com duas guerras que se seguiram e que custaram milhares de vidas e muitos estragos na nossa economia.

 

Apenas um par de meses atrás nós finalmente pregamos o "big one", ajudando a fazer o encerramento do caso para muitos. Agora, nós nos sentimos mais seguros? O mundo se tornou mais estável? No pessoal e nas relações internacionais, nossa espécie permanece presa na separação e projeção, fazendo os outros errarem, temendo e desconfiando do " outro".

 

Quanto tempo mais nós vamos andar ao redor de nós mesmos, com raiva e ressentimento em nossos corações, sentindo-nos lesados e vitimas?

 

O perdão é um ato de libertação pessoal. Não fazê-lo, nos mantém presos no passado. Um retorno é que temos de fazer para estarmos certos.

 

Outra coisa é que por esse sentimento sentimo-nos imolados e evitamos a responsabilidade de termos que olhar independentemente para o papel que nós fazemos em qualquer que seja o drama. Para estes retornos temos que pagar um preço elevado. Sempre podemos mudar ou mantermo-no no modo de vítima, e podemos perder o nosso poder. "Amar seu inimigo" continua a ser tão radical essa mensagem hoje como era há 2.000 anos.

 

Para mim, significa manter nosso coração aberto, não importa com o quê, mesmo que estejamos feridos ou com sentimentos de traição ou ameaçados. Podemos optar por mantermos nossos corações abertos se nosso interesse amoroso clama ou não, se alugamos uma cobertura para o próximo mês ou não, se o nosso trabalho é de risco ou nossa casa está em execução.

 

Todas essas mudanças, significam manter nossos corações abertos para os bin Ladens do mundo, para não mencionar o colega de trabalho repugnante e abominável que temos ao lado. Evidentemente, isso não significa que temos de ser amigos dessas pessoas, mas não mais permitir que tenham muito poder sobre nosso próprio coração.

 

O nosso coração não pode ser fechado seletivamente ou apenas para alguns. Em última análise, isso não é sobre qualquer pessoa. É entre mim e meu coração, entre mim e a vida, entre mim e o universo. Meu trabalho, meu compromisso, é manter meu coração aberto, não importa como. Isso está longe de ser fácil - na verdade, não é nada menos do que um ato heróico.

 

E nestes tempos exigem nada menos do que o heroísmo. Quando vamos começar a curar essa sensação de separação e suavizar as decisões duras que nos mantêm afastados? Novamente, não é fácil fazer. É muito mais fácil culpar o outro, acusá-los de errados e colocá-los contra a parede. E, se queremos a paz no mundo, ela deve começar dentro de nós.

 

Ensinamentos espirituais dizem-nos que somos todos um só, que estamos todos nisso juntos, e que tudo o que vemos tão claramente "ali" é "aqui," também. Esta é a essência de projeção. Uma prática que ajuda quando nos encontramos julgando ou fazendo juízo errado do outro é dizer a nós mesmos, "Eu também sou dessa forma" ou "dado um conjunto diferente de circunstâncias, sobre os quais eu não tenha nenhum controle, talvez eu também pudesse ter agido dessa forma."

 

Isto é particularmente difícil de fazer quando se trata de criminosos violentos ou "esses terroristas". Isso realmente significa ", também, sou como"? Bem, aqui está uma área para explorar que nós também podemos ser "assim": como atos de violência emocional ou espiritual, no meu interior o terrorista comprometeu - se não nos outros, em seguida, em mim mesmo? Ele/ela tem causado estragos em minha vida ou na vida dos outros? Opa! Tempo para pensar e meditar.

 

 Nós pensamos no grande terrorista, mas e os pequenos, e os terroristas internos que são mais difíceis de limpar de nossas cavernas. É, também, material para heróis. Libertação de decisões e a necessidade de estarmos certos, desenvolvendo a capacidade de perdoar e manter nossos corações abertos são etapas fundamentais no caminho para a paz interior e libertação.

 

Nestes tempos estressantes, desafiadores e perigosos, todos os seres podem experimentar a paz. Todos nós podemos ser livres.

 

Christian de la Huerta é o autor de "Vindo espiritualmente" e a próxima "A alma do poder". www.SoulfulPower.com

 

 

publicado por emtudoavontadedeus às 00:50
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

. logotipo sapo

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Himno de La Liturgia de l...

. O menino que conseguiu fa...

. Ou se está com Jesus, ou ...

. Há homens que dizem: se D...

. «Poderemos ficar no céu, ...

. Advertência da incompatib...

. A parte mais bonita, a pa...

. "A imensidade de Deus é a...

. Médico ao remover seus ov...

. A MELHOR CANÇÃO PARA DEUS...

.arquivos

. Abril 2015

. Março 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.contador de visitas

estatisticas gratis

. logotipo sapo